Pode uma paisagem intervir em nossos movimentos?

ULYSSE é um projeto de dança composto de 7 fotografias em movimento, que investigam a influência da natureza em nosso corpo, sendo a sétima apresentada ao vivo.

Nasceu no percurso de uma artista que escolheu o Brasil como terra-Amar. Cuidando da vida de um recém-nascido gato, em meio à natureza ora suave, ora brutal de um país continental, Camille percebeu uma forma de abordar o feminino - como parte essencial da natureza humana, uma força que, como as águas, cria e nutre a vida, contando com o tempo como seu grande aliado.

Da relação de um corpo com diversos espaços, surgiram as coreografias inéditas criadas por Camille Emma Bonnenfant para este site specific.

Com movimentos suaves, ondulatórios, conduzidos com leveza, a coreógrafa resgata a magnificência do corpo feminino, seu direito à sensualidade, ao distanciá-lo das formas brutais e apelativas que lhe são hoje atribuídas. O convite para criar uma dança na galeria Utópica, em São Paulo (cidade permeada por águas subterrâneas), veio por acreditar que esse feminino deve ser cultivado e comunicado, para que mais mulheres e homens identifiquem-se e vejam-se representados.

Ser vivo é ser atravessado por Água.

Ela é a fonte de todas as vidas.
Da gênese ao nascimento das espécies,
Ela é a origem de todas as criações.

Ulisses, herói mitológico grego, passou anos peregrinando pelas águas do mundo, a enfrentar guerras, ciclones e naufrágios. Combateu monstros e sereias, e seguiu caminhos nos mares.
Foi uma “longa viagem, ele viu mil paisagens” até conseguir voltar ao aconchego do seu lar.

ULYSSE é o símbolo dos percursos iniciáticos, que a condição de pulsar vida, reclama.

Feliz quem como Ulisses fez tão bela viagem,
Ou como o que buscou e conquistou o Tosão,
E prenhe regressou, de ciência e de razão,
A viver entre os seus o mais desta passagem.

Joachim Du Bellay

 

Formada pela Universidade de Paris III, Sorbonne-Nouvelle, em Artes Cênicas,
Camille Emma Bonnenfant dedicou mais de 15 anos à pesquisa do movimento e da força da palavra.
Ela experimentou muitas danças, como as de tradição oriental, particularmente as de origem persa e egípcia, e de matrizes africanas como a capoeira, e fez encontrarem-se através da linguagem contemporânea. Camille também desenvolve um trabalho de escrita e recentemente publicou sua primeira obra literária, que trata do nascimento dos 5 elementos sob forma de gêneses mitológicos. Os suportes artísticos variam, mas os questionamentos giram em torno das interseções entre o mundo natural e a nossa humanidade.

Como os diferentes seres vivos podem se fortalecer e participar de uma transformação mútua?

Quero levar o espectador nesta viagem, incentivá-lo a desfazer-se dos afazeres por um instante e embarcar nestas imagens.
Quero fazê-lo rodopiar comigo numa dança de celebração à vida, às forças femininas e à beleza do nosso planeta.

Camille Emma Bonnenfant